Digão e “Angela” na estrada – BlogSérie em 4 capítulos

por Johnny Garage 

 

Terceiro capítulo

 

Sexto dia – Destino Aracaju

No dia 3 de Janeiro, saí de Salvador na parte da manhã com destino a Aracaju, sempre buscando estradas menores, menos movimentadas, sobretudo com novas paisagens, como se fossem estradas preparadas apenas para nós motociclistas. Eu nem pensava que dali em diante seriam muitos estados em poucos dias viajando de moto. Não me importo que o caminho fique mais longo, desde que eu sempre possa curtir o que o role oferece de novo e inusitado.


digao-motociclista-encontrando-seu-amigo-neves-em-aracaju


Cheguei em Aracaju perto da hora do almoço.  Antes de fazer qualquer coisa pela cidade encontrei meu amigo Neves. Ele tirou o dia de folga para me apresentar a cidade, mostrando-me lugares que eu com certeza não teria descoberto se estivesse sozinho viajando de moto. Terminamos o dia com uma boa cerveja gelada acompanhada com patinhas de siri e um super papo legal.


digao-motociclista-jantando-em-aracaju-com-uma-patinha-de-caranguejo-na-mao


Sétimo dia – Maceió com vista para o mar e Caruaru e seus pratos típicos

Apesar da rápida passagem por Aracaju, no dia seguinte segui em direção a Maceió, que seria a última cidade com praia da viagem. Passei a manhã na estrada e a tarde toda na praia. Qual Paulista não se sente confortável passando a tarde na praia?


digao-motociclista-na-praia-em-maceio


Pousei em Maceió com vista para o mar,  acordando no outro dia para, enfim, seguir para Caruaru, que ficava extremamente perto, em média 200 Km, e lá eu fiquei até o dia seguinte conhecendo museus e experimentando pratos típicos.


harley-davidson-softail-blackline-em-frente-a-casa-museu-mestre-vitalino


Seguindo sem destino certo

A essa altura da viagem, Ângela seguia com o mesmo desempenho dos dias iniciais, sem ter me dado nenhuma dor de cabeça e a única meta do dia a ser seguida era não ter destino certo viajando de moto e assim foram aproximadamente 200 Km atravessando o sertão Pernambucano e Paraibano por estradas secundárias e uma estrada de terra no meio da Caatinga, rodando entre plantações de palma, sem placas e sem saber se estava no caminho certo até que cheguei em um pequeno povoado e parei para tomar uma água e pedir informações.

Simplicidade, emoção e diferenças sociais

De repente um senhor com um menino se aproximou para me perguntar se poderia tirar foto da “motoca”, prontamente autorizei, com o alerta para tomarem cuidado para não queimar a perninha do menino, pois ela ainda estava quente. Falei para o senhor sentar sozinho na Harley também para que eu fizesse uma foto só dele e ele emocionado me disse que achou que só veria esse tipo de “motão” em filmes da televisão, algo que me marcou muito e me fez refletir sobre as grandes diferenças sociais que ainda temos em nosso país. De lá segui até Monteiro, ainda na Paraíba, e fui até Marcolândia na divisa do Piauí com Pernambuco, onde dormi e também me dei conta que naquele dia tinha passado por 3 Estados: PE, PB e PI.

Sítio com comida caseira e churrasco em Marcolândia

No outro dia saí de Marcolândia sentido Oeste, parando na hora do almoço em um pequeno sítio no meio da BR230 – a famosa Transamazônica – que servia comida caseira e churrasco feitos na hora. A surpresa mais agradável foi ter feito uma refeição de excelente qualidade por um preço bem em conta, em torno de 20 Reais. Aproveitei e comprei um lindo artesanato feito por aquela família com a intenção de retribuir a hospitalidade e a boa refeição que me proporcionaram. 

Finalizei meu dia em Balsas, depois de ter rodado aproximadamente 710 Km, para que seguisse viagem no dia seguinte.